O advento da informatização provocou diversas mudanças na maneira como interagimos com o mundo, alterando aspectos como relações políticas, econômicas e sociais. E como parte essencial para o funcionamento da sociedade, a educação também apresentou grande evolução, principalmente com a utilização das metodologias ativas de aprendizagem.
Desse modo, depois de anos e até mesmo séculos de ensino estagnado, presenciamos investimentos nas formas de aprendizado que têm gerado vários impactos positivos, não somente para os discentes, mas também para os docentes.
Por isso, neste artigo, vamos explicar qual a importância das metodologias ativas e como elas funcionam, demonstrando também suas consequências que podem ajudar no desenvolvimento da aprendizagem dos jovens aprendizes participantes do programa.
O que são as metodologias ativas?
O modelo mais conhecido e praticado nas instituições de ensino é aquele em que o aluno acompanha a matéria lecionada pelo professor por meio de aulas expositivas, com aplicação de avaliações e trabalhos. Esse método é conhecido como passivo, pois nele o docente é o protagonista da educação.
Já na metodologia ativa, o aluno é personagem principal e o maior responsável pelo processo de aprendizado. Sendo assim, o objetivo desse modelo de ensino é incentivar que a comunidade acadêmica desenvolva a capacidade de absorção de conteúdos de maneira autônoma e participativa.
Como os alunos geralmente aprendem?
Por meio de vários estudos feitos na área, chegou-se à conclusão de que, entre os meios utilizados para adquirir conhecimento, há alguns cujo processo de assimilação ocorre mais facilmente.
Desse modo, temos como referência uma teoria do psiquiatra americano William Glasser para explicar como as pessoas geralmente aprendem e qual a eficiência dos métodos nesse processo: 10% lendo; 20% escrevendo; 50% observando e escutando; 70% debatendo com outras pessoas; 80% praticando e 95% ensinando.

Dentro da nova proposta do Ceproesc, trabalhar com metodologias ativas, desenvolvi com os jovens da turma 1 e 2 Cutrale o projeto de um modelo de negócios Startup, os jovens aprendizes tiveram toda a liberdade na escolha dos seu tema e desenvolvimento das sua ideias concluímos em primeiro momento o cronograma para os trabalhos em sala de aula.

Uma das características mais importantes de um startup está em sua capacidade de ganhar escala rapidamente, ou seja, de ter seus produtos utilizados por um número grande de pessoas em pouco tempo. Um startup também costuma apresentar baixo esforço de replicação de seus produtos, isto é, custos de operação que cresçam proporcionalmente a taxas menores que sua receita, na medida em que a empresa ganha escala. Por essa razão, utilizam de forma intensiva a tecnologia, em especial as tecnologias da informação e a Internet. Outra característica importante de um startup é o ambiente de incerteza no qual ela está inserida. Em sua fase inicial, muitos elementos que compõe seu modelo de negócio estão ainda incertos e pouco definidos.

  • Desenvolver um modelo de negócios Startup.
  • Disponibilizando aulas para que os aprendizes possam planejar desenvolver, trabalhar o processo criativo.
  • Os jovens estão desenvolvendo suas próprias estratégias utilizando todos os recursos tecnológicos disponíveis.
  • Apresentação do seu modelo de negócios para as salas, professores e gestores da empresa.
  • Documentação do projeto.
  • Apresentação do projeto.

Conclusão
O projeto desenvolvido pelos jovens mostrou como é importante o trabalho em equipe e o desenvolvimento das suas próprias estratégias, houve momentos de conflitos natural no processo da individualidade e amadurecimento, estamos lhe dando com jovens onde o processo criativo e empreendedor se mostram muito presentes mostrando que o trabalho com metodologias ativas se fazem necessário para a construção do conhecimento.

Dentro do paradigma digital, a inovação é um dos principais meios para se alcançar o sucesso de um empreendimento. Claro que inovar não se limita a implementar ferramentas tecnológicas, pode ser uma mudança em algum processo ou na forma de lhe dar com novas metodologias de ensino e aprendizagem.

Referência Bibliográfica
BLANK, S. & DORF, B.,“The Startup Owner’s Manual”. 571 páginas. 2012.
BLANK, S., “Four Steps to the Epiphany”, 2a Edição: Cafepress, 2006.
BLANK, S., “Why the Lean Start-Up Changes Everything”, Harvard Business Review, 2013
CETIC, “Pesquisa sobre o Uso das Tecnologias de Informação e Comunicação no Brasil”, 2013. Disponível em: <http://www.cetic.br/usuarios/tic/2012/index.htm> Visitado em 13/07/2013
DAMODARAN, A. The dark side of valuation: valuing young, distressed, and complex businesses. Prentice Hall, 2001.
DAMODARAN, A., “Valuing young, start-up and growth companies: estimation issues and valuation challenges. Working Paper, Stern School of Business – New York University, 2009.
DAVILAA, A., FOSTERA, G. e GUPTAB, M., “Venture capital financing and the growth of startup firms”, Journal of Business Venturing, 18th edition, p. 689–708, 2003.
EDO, A. e FAGUNDES, M., “Metodologias de desenvolvimento de negócios inovadores em ambientes effectuais: um estudo comparativo”, Projeto de Graduação, UFRJ, Escola Politécnica, 2012.

Giancarla Bettoni
Ministra aulas de Raciocínio Lógico Matemático, Logística Integrada e Inclusão Digital